Etiquetas

,

«Se queres»

Este jovem sente mesmo que, embora nada falte à sua virtude, ainda lhe falta qualquer coisa na vida. Por isso a vem pedir à única pessoa que lha pode dar. Tem a certeza de estar em regra quanto à Lei; contudo, implora ao Filho de Deus, passando duma fé para a outra fé. As amarras da Lei não o defendiam dos solavancos; inquieto, deixa essas águas perigosas e vem lançar âncora no porto do Salvador.

Jesus não lhe censura ter faltado a qualquer artigo da Lei, mas começa a amá-lo (cf Mc 10,21), emocionado com a sua aplicação de bom aluno. Contudo, declara-o ainda imperfeito […]: é um bom trabalhador da Lei, mas preguiçoso em relação à vida eterna. Já é bastante bom, sem dúvida; «a santa Lei» é como um pedagogo (cf Rom 7,12; Gal 3,24) que ensina pelo temor e encaminha para os mandamentos sublimes de Jesus e para a sua graça. «É que o fim da Lei é Cristo para que, deste modo, a justiça seja concedida a todo o que tem fé» (Rom 10,4). Ele não é um escravo que fabrique escravos; Ele dá a qualidade de filhos, de irmãos, de co-herdeiros a todos os que fazem a vontade do Pai (cf Rom 8,17; Mt 12,50). […]

Estas palavras, «se queres», mostram admiravelmente a liberdade do jovem; resta-lhe apenas escolher, ele é dono da sua decisão. Mas é Deus que dá, pois Ele é o Senhor. Ele dá a todos os que desejam e empregam todo o seu ardor e rezam, para que a salvação seja a sua escolha pessoal. Inimigo da violência, Deus não obriga ninguém, mas dá a graça aos que a procuram, abre aos que batem (cf Mt 7,7).

Paz e Bem!

Fonte: São Clemente de Alexandria (150-c. 215), teólogo
Homilia «Os ricos podem salvar-se?», 8-9; PG 9, 603